Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Novo júri dos envolvidos na morte do agente federal Alex Belarmino acontecerá em julho

20/06/22 às 14:18 - Escrito por Bruno Rodrigo
siga o Tarobá News no Google News!

A Justiça Federal do Paraná realiza, a partir do dia 04 de julho, o Tribunal do Júri de mais três acusados da morte do agente penitenciário Alex Belarmino de Souza, assassinado em 2016, em Cascavel. O Tribunal do Júri vai acontecer no na Sede Cabral da Seção Judiciária do Paraná, em Curitiba, e será presidido pelo juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba. 


Ao todo, foram quatorze denunciados pela morte do agente. O processo foi inicialmente desmembrado por ter recursos de quatro réus pendentes nos Tribunais superiores, e novamente desmembrado para racionalizar as sessões de julgamento, sendo que sete acusados já foram sentenciados em julgamento que aconteceu em dezembro de 2021. 


A ação penal, que inicialmente tramitou na 4ª Vara Federal de Cascavel, teve decisão de pronúncia em abril de 2018, seguindo para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região que determinou a realização do Tribunal do Júri na Subseção Judiciária de Curitiba, em razão da comoção causada pelo crime.

Leia mais:

Imagem de destaque
TRÂNSITO

Carro invade estabelecimento comercial após acidente no bairro Santo Onofre

Imagem de destaque
EM BRASÍLIA

Parlamentares participam de audiência decisiva sobre Contorno Leste de Londrina

Imagem de destaque
MOTORISTA ASSUSTADO

Estudante é atropelada quando chegava em colégio na zona sul de Londrina

Imagem de destaque
CONFIRA O INFORME

Novo boletim da dengue informa mais um óbito de uma moradora de Londrina

Retaliação

Alex Belarmino de Souza tinha 36 anos quando foi assassinado a caminho do trabalho. Segundo as investigações da Polícia Federal (PF), o agente penitenciário federal foi morto em uma emboscada e recebeu 23 tiros. Ele teve sua morte encomendada por integrantes de uma facção criminosa que atua dentro e fora de presídios brasileiros.


Ainda de acordo com as investigações da PF, o crime aconteceu em represália a ações de órgãos de segurança contra o grupo. Em 2017, a servidora pública federal que atuava como psicóloga na Penitenciária de Catanduvas, Melissa Almeida, também foi morta pela mesma facção criminosa.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá