Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

PF investiga empresas de segurança privada suspeitas de atuação irregular

24/05/24 às 08:19 - Escrito por Assessoria de Imprensa
siga o Tarobá News no Google News!

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (23) a Operação Segurança Legal VIII em todas as suas unidades no país, com exceção do Rio Grande do Sul em razão das enchentes. Cerca de 463 policiais federais realizaram fiscalização de combate a empresas clandestinas de segurança privada.


A operação foi realizada em 25 capitais, além do Distrito Federal e nas 96 unidades descentralizadas da Polícia Federal no país, visando encerrar a atividade de empresas que executam segurança privada sem autorização da Polícia Federal, com a fiscalização de 488 estabelecimentos, entre casas noturnas, comércios, condomínios e outros.


Em Londrina, foram fiscalizadas três empresas que prestam serviços de terceirização de mão de obra e de monitoramento de câmeras e alarmes, sendo que em uma delas foi identificada a realização de atividades de segurança privada sem autorização da Polícia Federal, tendo sido arrecadados no estabelecimento um revólver calibre 38 sem registro, cinco munições calibre 38, duas placas balísticas, um par de algemas, um cassetete, um spray de gás e dois coletes táticos.

Leia mais:

Imagem de destaque
CONSERTO NA MADRUGADA

Vazamento em tubulação deixa bairros da zona norte sem abastecimento de água

Imagem de destaque
GRAVE

Bebê de 1 ano morre atropelado em Apucarana e suspeito é espancado por populares

Imagem de destaque
ENTENDA A HISTÓRIA

Conheça a história do Paçoca, cão que se envolveu em polêmica neste domingo

Imagem de destaque
EXPLICAÇÃO

Família nega que tenha abandonado cachorro e explica caso; cão está bem


Desde 2017 a Polícia Federal vem realizando essa operação de âmbito nacional, coordenada pela Divisão de Controle e Fiscalização de Segurança Privada – DICOF/CGCSP/DPA/PF e deflagrada pelas Delegacias de Controle de Segurança Privada – DELESP nas capitais e pelas Unidades de Controle e Vistoria nas Delegacias Descentralizadas.


A contratação de serviços clandestinos de segurança privada coloca em risco a integridade física de pessoas e o patrimônio dos contratantes, já que os “seguranças” clandestinos não se submetem ao controle da Polícia Federal quanto aos seus antecedentes criminais, formação, aptidão física e psicológica.


Além disso, as empresas clandestinas não observam os requisitos mínimos de funcionamento previstos na legislação. No Brasil, somente empresas de segurança privada autorizadas pela Polícia Federal podem prestar estes serviços e contratar vigilantes.

 

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá