Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Publicano: 44 auditores fiscais são autorizados a retornar às funções na Receita Estadual

18/08/21 às 08:28 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

A Justiça revogou a medida cautelar de suspensão do exercício de funções públicas de 44 auditores fiscais, investigados durante a Operação Publicano, que apurou a cobrança de propina durante fiscalizações dos auditores da Receita Estadual em Londrina e Região. A decisão do juiz Juliano Nanúncio, da 3ª Vara Criminal de Londrina, foi expedida nesta terça-feira (17).

O pedido de revogação da medida foi feito pela defesa de três auditores, que estavam afastados. Na decisão, o juiz afirma que não se vislumbra “a esta altura, persistir a necessidade e a adequação da medida cautelar de suspensão do exercício de função pública aos réus da 'Operação Publicano' detentores do cargo de auditor fiscal da Receita Estadual que não tiveram sentença condenatória proferida em seu desfavor perante este juízo.”

O juiz levou em consideração que a medida cautelar em análise foi fixada durante as investigações, há mais de seis anos, que os auditores afastados correspondem a 10% do total de servidores ativos da Receita Estadual do Paraná e que eles continuam recebendo seus salários. "Faz-se mister que a manutenção da restrição seja afastada para quem não foi condenado em primeiro grau, sobretudo considerando o número expressivo de auditores fiscais afastados de suas atividades, que continuam a receber suas remunerações, onerando o fisco sem a devida contraprestação", analisa.

Leia mais:

Imagem de destaque
CASA REVIRADA

Criminosos invadem, furtam chácara e roubam barco em Primeiro de Maio

Imagem de destaque
ASSUSTOU

Mulher perde o controle após se distrair com gato e bate carro na zona sul

Imagem de destaque
100% GRATUITO

Projeto Mega oferece curso para jovens empreendedores no Jardim Cristal

Imagem de destaque
FERIMENTOS LEVES

Motociclista fica ferido após colidir com carro na zona norte de Londrina

A decisão determina que o retorno às suas funções dos auditores deverá ser em atividades afastadas de serviços relacionados à fiscalização tributária, que, em tese, propiciavam a prática dos crimes contra a Administração Pública pelos quais os auditores foram denunciados, reduzindo assim o risco de reiteração do crime.

Além dos auditores que entraram com a ação, o juiz estendeu a autorização a outros 41 auditores, que não foram condenados e estão em situações semelhantes às dos requerentes. Já os auditores que foram condenados pela Justiça continuarão suspensos de exercer a função pública.

Nos autos, o Ministério Público também se manifestou favorável à revogação da medida cautelar de suspensão do exercício de funções públicas somente em relação aos denunciados detentores do cargo de auditores fiscais que não foram condenados pela Justiça.

A Operação Publicano começou no ano de 2015 e investigou um esquema de cobrança e pagamento de propina a auditores fiscais da Receita Estadual de Londrina.

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá