Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Textor entrega "provas" de manipulação de resultados à Polícia Civil

13/04/24 às 11:17 - Escrito por BAND
siga o Tarobá News no Google News!

O dono da SAF do Botafogo, John Textor, entregou à Polícia Civil do Rio de Janeiro nesta sexta-feira (12) os documentos sobre supostos casos de manipulação de resultados no futebol brasileiro, apurou a reportagem junto a uma fonte na polícia. 


No dia 3 de abril, John Textor foi até à Cidade da Polícia para prestar depoimento sobre os supostos casos de manipulação de resultados no futebol brasileiro nos últimos dois anos, quando o Palmeiras se sagrou campeão. O dirigente afirmava ter provas, mas não havia entregado o material. 


No mesmo dia em que prestou o depoimento, Textor falou com imprensa, depois de uma partida do Botafogo contra o Junior Barranquilla, e afirmou que não colocaria sua reputação em risco. 

Leia mais:

Imagem de destaque
CIRCUITO DE IMOLA

Sebastian Vettel pilota carro de Ayrton Senna em homenagem

Imagem de destaque
ARENA AMAZÔNIA

Amazonas e Paysandu empatam em 1 a 1 pela Série B do Brasileiro

Imagem de destaque
CONTRA SAMPAIO BASQUETE

Sesi conquista título da primeira edição da Copa da LBF

Imagem de destaque
EM XANGAI

Rayssa Leal vence etapa da China do Pré-Olímpico de skate street


"Nossa evidência é vasta. É abrangente. É mais do que apenas os relatórios que estão sendo discutidos. Não coloco minha reputação em jogo por bobagens.", afirmou.


A Polícia Civil, por meio da Delegacia do Consumidor (DECON), e o Ministério Público investigam o caso. Todas as investigações seguem em sigilo. 


Entenda o caso: 


Em 2023, Textor afirmou que existem problemas na arbitragem brasileira. O dirigente falou em roubo e pediu a renúncia de Ednaldo, presidente da CBF. Neste ano, Textor voltou a falar da arbitragem e afirmou haver corrupção no campeonato e revelou ter provas como gravações de juízes reclamando sobre propinas não combinadas. Tem a gravação de um árbitro dizendo ele que estava triste de ter perdido dinheiro, porque o jogo que ele estava tentando manipular não tinha ido do jeito que ele estava tentando influenciar. Ele foi específico: ele deu 1 minuto no relógio e deu um pênalti que não deveria, e o atacante bateu o pênalti na trave. Ele reclamou, dizendo que fez tudo o que foi possível. 

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá