Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Corpo de Bombeiros localiza pais de 390 crianças perdidas no Litoral do Paraná

06/01/24 às 08:46 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

As forças de segurança estão distribuindo nos postos fixos e estruturas itinerantes, em média, mais de mil pulseirinhas de identificação de crianças por dia na operação Verão Maior Paraná no Litoral. Do início da temporada, em 16 de dezembro, até a última quinta-feira (4), as polícias Militar e Civil, o Corpo de Bombeiros e agentes da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) distribuíram juntos 20.333 pulseiras, o que dá uma média de 1.070 unidades por dia.


A capitã Débora Kolossoskei, do Corpo de Bombeiros, enfatiza que a pulseirinha é a melhor ferramenta para os pais evitarem perder seus filhos na praia. No equipamento é escrito o nome da criança e os nomes e contatos dos pais ou responsáveis, o que facilita muito o trabalho de busca caso a criança se perca, em especial nos dias mais movimentados na areia.


Desde o início da operação, só o Corpo de Bombeiros localizou os pais de 390 crianças perdidas através das informações que constavam nas pulseirinhas. Ou seja, apenas essa corporação resgatou, em média, 20 crianças por dia a partir artefato colocado no braço dos pequenos.

Leia mais:

Imagem de destaque
AVALIAÇÃO

Pesquisa Quaest mostra Ratinho Jr com 79% de aprovação

Imagem de destaque

PCPR incinera 1,2 tonelada de drogas em Guaíra

Imagem de destaque
SATISFAÇÃO

Litoral do Paraná atendeu expectativas de mais de 90% dos turistas, mostra pesquisa

Imagem de destaque
COMBATE

Sanepar realiza mutirão contra a dengue em 30 cidades neste sábado


“Ocorrência de crianças perdidas na praia é bem comum. São muitos meninos e meninas no meio da multidão, muitas vezes com roupas parecidas, o que facilita para que os pais as percam de vista. Mas com a pulseirinha de identificação fica fácil encontrar os responsáveis”, explica a capitã.


A capitã lembra que, além da pulseirinha, é importante os pais orientarem as crianças. A principal informação é para que a criança procure ajuda de um policial ou bombeiro caso não encontre os pais. “Por isso é importante que os pais mostrem uma imagem positiva dessas corporações, que não falem coisas como ‘a polícia vai te levar’ se a criança fizer algo errado, para que ela não tenha medo dos agentes”, aponta Débora.


IDOSOS E DEFICIENTES – A capitã Aline Aparecida Slovinski Canfield, da Polícia Militar (PM), que atua em Pontal do Paraná, aponta que a pulseirinha não serve apenas para crianças. O utensílio também é indicado para pessoas com deficiência e mesmo para idosos.


“Quem tem alguma dificuldade de se localizar, de lembrar onde está hospedado, também pode procurar um dos postos. A gente também recomenda o uso da pulseira”, justifica a policial. “Com esse item, podemos encontrar mais facilmente os familiares dessas pessoas”.


SEGURANÇA DOS FILHOS – A dona de casa Cassiane da Silva Gonçalves, 35 anos, foi uma das mães que procurou o posto da PM em Pontal do Paraná nessa sexta-feira (5) para colocar a pulseirinha nos três filhos: Ane Gabriele e Braian de 8 anos, e Gabriel de 1 ano e 10 meses. “Eu vejo a pulseirinha como uma segurança para a gente que é mãe. Às vezes, num piscar de olhos, as crianças saem das nossas vistas. E essa é uma forma conseguir encontrá-los, porque ali tem nome dos pais, o contato”, avalia.


Mesma opinião da funcionária pública Janaína Machado, de 41 anos, mãe de Yasmim, de 10 anos, e Samuel, de 4. “É comum a gente perder as crianças de vista na praia porque eles são muito rápidos e tem muita gente. Por isso é importante a pulseirinha”, atesta a veranista.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá