Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

PCPR prende quatro pessoas por extorsão seguida de morte ocorrida em Foz do Iguaçu

25/11/23 às 11:41 - Escrito por Assessoria de Imprensa
siga o Tarobá News no Google News!

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu dois homens, de 31 e 35 anos, na quinta (23), um homem, de 28, e uma mulher, de 29, na sexta-feira (24), ligadas a um grupo criminoso responsável por extorsão seguida de morte contra Kauet Henrique dos Santos, ocorrida em Foz do Iguaçu, no Oeste do Estado, em agosto deste ano. As capturas aconteceram em Belém, no Pará.


Os policiais civis ainda cumpriram quatro mandados de monitoramento e 12 de busca e apreensão em Belém, no Pará; em São Paulo, na Capital; e em Aparecida de Goiânia, em Goiás. Os indivíduos ainda podem responder por roubo majorado e associação criminosa. 


A investigação contou com o apoio do Centro Integrado de Operações de Fronteira (Ciof), Polícia Civil do Pará (PCPA), Polícia Civil do Estado de São Paulo (PCSP), Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ), Polícia Civil do Maranhão (PCMA), Polícia Civil do Piauí (PCPI), Polícia Civil do Rio Grande do Norte (PCRN), Polícia Civil de Goiás (PCGO) e Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (Ficco) de Natal. Os órgãos auxiliaram com informações que foram condensadas no inquérito policial coordenado pela PCPR. 

Leia mais:

Imagem de destaque
OPORTUNIDADE

Concurso com sete vagas na Polícia Penal do Paraná está com inscrições abertas

Imagem de destaque
PARANÁ

Retoma Paraná oferece oportunidade de regularização para 44 mil empresas

Imagem de destaque
IBGE

Proporção de moradores em apartamentos quase dobra no Paraná em 12 anos

Imagem de destaque
REGIÃO OESTE

Rede Elétrica Inteligente da Copel chega a mais 50 municípios do Oeste do Paraná


“A interação entre esses órgãos policiais, assim como com outras entidades públicas e privadas, foi fundamental para o efetivo desmantelamento desse perigoso grupo criminoso, suspeito de ser responsável por diversos crimes graves de extorsão em várias regiões do país e que, infelizmente, escolheram a cidade de Foz do Iguaçu para a prática desse brutal crime, que ceifou a vida do jovem”, afirma o delegado da PCPR Rodrigo Souza. 


No curso da investigação foram identificadas oito pessoas suspeitas de participação no crime, sendo três autores que efetivamente estiveram no local da morte, e cinco pessoas que teriam integrado o núcleo logístico do grupo, cuja participação consistiu em atrair a vítima para a cidade, receber os valores da extorsão, pulverizar o dinheiro para conta de outro criminoso e auxiliar na ocultação do corpo da vítima. 


O núcleo executor do crime foi preso na cidade de Belém, os mandados expedidos em desfavor do núcleo logístico do grupo criminoso foram cumpridos na cidade de Aparecida de Goiânia (GO) e São Paulo (SP).  


CRIME- Durante as investigações de alta complexidade, a PCPR apurou que a vítima veio até Foz do Iguaçu para ir até o Paraguai, onde compraria celulares e revenderia em Natal, no Rio Grande do Norte, onde morava.  


Ao chegar em Foz do Iguaçu, a vítima desapareceu. No dia 4 de agosto, foi morta após realizar transferências bancárias para contas indicadas pelos investigados, conduta que se enquadra no crime de extorsão qualificada pela morte. 


Três dias após o desaparecimento, Kauet foi localizado morto no interior de uma residência. A PCPR apurou que ele realizou transferências dos valores que usaria para a aquisição dos aparelhos eletrônicos, além de ter solicitado ao seu pai mais uma quantia, totalizando R$ 86 mil reais transferidos aos criminosos.


Os policiais civis ainda cumpriram quatro mandados de monitoramento e 12 de busca e apreensão em Belém, no Pará; em São Paulo, na Capital; e em Aparecida de Goiânia, em Goiás. Os indivíduos ainda podem responder por roubo majorado e associação criminosa. 


A investigação contou com o apoio do Centro Integrado de Operações de Fronteira (Ciof), Polícia Civil do Pará (PCPA), Polícia Civil do Estado de São Paulo (PCSP), Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ), Polícia Civil do Maranhão (PCMA), Polícia Civil do Piauí (PCPI), Polícia Civil do Rio Grande do Norte (PCRN), Polícia Civil de Goiás (PCGO) e Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (Ficco) de Natal. Os órgãos auxiliaram com informações que foram condensadas no inquérito policial coordenado pela PCPR. 


“A interação entre esses órgãos policiais, assim como com outras entidades públicas e privadas, foi fundamental para o efetivo desmantelamento desse perigoso grupo criminoso, suspeito de ser responsável por diversos crimes graves de extorsão em várias regiões do país e que, infelizmente, escolheram a cidade de Foz do Iguaçu para a prática desse brutal crime, que ceifou a vida do jovem”, afirma o delegado da PCPR Rodrigo Souza. 


No curso da investigação foram identificadas oito pessoas suspeitas de participação no crime, sendo três autores que efetivamente estiveram no local da morte, e cinco pessoas que teriam integrado o núcleo logístico do grupo, cuja participação consistiu em atrair a vítima para a cidade, receber os valores da extorsão, pulverizar o dinheiro para conta de outro criminoso e auxiliar na ocultação do corpo da vítima.

 

O núcleo executor do crime foi preso na cidade de Belém, os mandados expedidos em desfavor do núcleo logístico do grupo criminoso foram cumpridos na cidade de Aparecida de Goiânia (GO) e São Paulo (SP).  

CRIME- Durante as investigações de alta complexidade, a PCPR apurou que a vítima veio até Foz do Iguaçu para ir até o Paraguai, onde compraria celulares e revenderia em Natal, no Rio Grande do Norte, onde morava.  


Ao chegar em Foz do Iguaçu, a vítima desapareceu. No dia 4 de agosto, foi morta após realizar transferências bancárias para contas indicadas pelos investigados, conduta que se enquadra no crime de extorsão qualificada pela morte. 


Três dias após o desaparecimento, Kauet foi localizado morto no interior de uma residência. A PCPR apurou que ele realizou transferências dos valores que usaria para a aquisição dos aparelhos eletrônicos, além de ter solicitado ao seu pai mais uma quantia, totalizando R$ 86 mil reais transferidos aos criminosos.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá