Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Tenente-coronel cobra trabalho integrado com Assistência Social em Londrina

15/09/22 às 19:41 - Escrito por Redação Tarobá News

Uma fala do tenente-coronel Nelson Villa, comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar, viralizou nas redes sociais por conta do tom crítico sobre a ausência da secretária de Assistência Social, Jacqueline Micali, durante uma reunião. A ocasião era um encontro com moradores e comerciantes da avenida São João que falavam sobre a insegurança causada na região por conta do aumento no número de pessoas em situação de rua.


“Não são latrocínios, não são crimes de maior gravidade, que dizem respeito intimamente à questão social, de pessoas que não têm onde morar, que são viciadas em drogas. Mas a secretária da Assistência Social não vem à discussão nunca. E esse é um problema dela. Nós temos dois momentos em Londrina, um antes de Jacqueline Micali e outro depois. Porque esse problema só aumenta”, desabafou Villa.


Segundo o tenente-coronel, a Polícia Militar só pode prender quem esteja em flagrante delito ou com ordem judicial, mas a questão social deve ser resolvida pela secretaria de Assistência Social. “Quem tem que resolver é ela. Mas nós estaremos aqui, contem conosco. A Polícia Militar não se acovarda com os problemas”, afirmou Villa no vídeo.


Procurado pelo Grupo Tarobá de Comunicação, o tenente-coronel reforçou que Londrina sofre com a questão social e que não cabe à PM resolver essa questão e sim de um trabalho integrado com a pasta.


“Nós temos que entender que Londrina, diferentemente de outros momentos, não padece hoje com crimes violentos como antigamente. Nós estamos passando um ano, e espero que termine assim, sem um latrocínio sequer. Os roubos à residência diminuírem presença policial se intensificou. Ou seja, há uma ação policial muito firme. Hoje a maior reclamação das pessoas são os pequenos furtos que, nitidamente são utilizados para troca por drogas. Uma situação acaba gerando outra, o problema social das pessoas em situação de rua acaba se convertendo nessa criminalidade que é pequena e incomoda muitas as pessoas”, disse Villa.


A equipe de reportagem acompanhou uma abordagem da PM em um mocó na esquina das ruas Bahia e Belém, no centro de Londrina. Onze pessoas foram abordadas, sendo cinco mulheres e seis homens, que usam o lugar como abrigo.


“Polícia não é instrumento de segregação de gente pobre. Vocês precisam de Saúde e Assistência Social. Assim não são um problema iminentemente policial. Sem flagrante delito e ordem judicial não podemos prender pessoas e assim não vamos acabar com os mocós na cidade”, afirmou Villa.


A secretária de Assistência Social foi procurada pela equipe, mas informou que estava em atividade durante o dia todo e não poderia atender.


Fiscalização aos imóveis abandonados

A Secretaria Municipal de Defesa Social, por meio da Guarda Municipal (GM) de Londrina, iniciou na última quarta-feira (14), as ações de fiscalização nos imóveis em estado de abandono na cidade, conforme dispõe o artigo 4 do decreto municipal nº 992/2022. As equipes do setor operacional da GM verificaram 15 locais nas regiões leste, norte, oeste e central.


Após a verificação de cada local, os guardas elaboraram os relatórios com as informações sobre a situação atual de cada imóvel. Na maioria dos endereços, foi encontrado muito lixo, mato alto e restos de entulho, entre outros problemas.


As informações coletadas serão encaminhadas para as demais secretarias municipais, por meio de um relatório circunstanciado, para que sejam tomadas as medidas necessárias e outras providências. A Guarda Municipal prosseguirá fiscalizando estes espaços abandonados.

© Copyright 2022 Grupo Tarobá