Investigação da Operação Capitu começou com base em delação de Funaro, diz PF

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 09/11/2018 às 12:20

A Polícia Federal (PF) informou nesta sexta-feira, dia 9, que as propinas investigadas no âmbito da Operação Capitu eram negociadas, geralmente, com um deputado federal e entregues aos agentes políticos e servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e pelo operador Lúcio Bolonha Funaro.

A PF identificou que a JBS dependia de normatizações e licenciamentos do Mapa e teria passado a pagar propina a funcionários do alto escalão do ministério em troca de atos de ofício, que proporcionariam ao grupo a eliminação da concorrência e de entraves à atividade econômica, possibilitando a constituição de um monopólio de mercado.



Relacionados

Política | 21-01-2019 13:15

'É um problema do Flávio; ele vai resolver isso aí', diz Mourão

'É um problema do Flávio; ele vai resolver isso aí', diz Mourão

Política | 21-01-2019 11:50

Bolsonaro avalia 'briefing' diário para imprensa, diz porta-voz

Bolsonaro avalia 'briefing' diário para imprensa, diz porta-voz

Política | 21-01-2019 11:40

Grupos pró-Bolsonaro perdem fôlego nas redes sociais

Grupos pró-Bolsonaro perdem fôlego nas redes sociais

Política | 21-01-2019 11:10

Além de Flávio Bolsonaro, Coaf cita outros 27 políticos no Rio

Além de Flávio Bolsonaro, Coaf cita outros 27 políticos no Rio

PUBLICIDADE