Presidente da CCJ rejeita pedido da base aliada para interrogar Fachin

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 13/06/2017 às 22:00

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), decidiu rejeitar requerimento apresentado por parlamentares da base aliada por meio do qual cobravam informações ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a relação dele com o executivo Ricardo Saud, um dos delatores do grupo J&F, que administra a JBS. Caberá agora recurso à Mesa Diretora para que o pedido seja votado diretamente no plenário da Casa.

"Devo indeferir e não pautar o requerimento (na CCJ). Falta embasamento jurídico", afirmou Pacheco ao Broadcast/Estadão na noite desta terça-feira, 13. De acordo com o peemedebista, que também é da base aliada do governo, o requerimento é atípico e, por isso, não há previsão na Constituição Federal nem no Regimento Interno da Câmara para votá-lo na comissão que preside.

O requerimento foi apresentado pelo deputado Fausto Pinato (PP-SP) com apoio de vários deputados da base e até da oposição, em reação à delação premiada da JBS. Na delação, executivos da empresa incriminaram o presidente Michel Temer e disseram ter pago propina a 1.890 políticos, entre eles, vários parlamentares. Além do requerimento, base e oposição articularam a criação de uma CPI Mista para investigar o frigorífico no Congresso.



Relacionados

Política | 07-10-2018 22:10

Marina: infelizmente, tivemos a velha polarização que tóxica nessa campanha

Marina: infelizmente, tivemos a velha polarização que tóxica nessa campanha

Política | 07-10-2018 22:10

Fora do 2º turno, Skaf diz a apoiadores que "saímos todos fortalecidos"

Fora do 2º turno, Skaf diz a apoiadores que "saímos todos fortalecidos"

Política | 07-10-2018 22:10

Filho de Bolsonaro bate recorde de votos na Câmara

Filho de Bolsonaro bate recorde de votos na Câmara

Política | 07-10-2018 22:05

Próximo presidente terá o desafio de unificar o País diz presidente da Votorantim

Próximo presidente terá o desafio de unificar o País diz presidente da Votorantim

PUBLICIDADE