Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Campos Neto defende estabilidade monetária para combater a pobreza

28/02/24 às 15:01 - Escrito por Agência Brasil
siga o Tarobá News no Google News!

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta quarta-feira (28), em São Paulo, que controlar a inflação faz parte do combate à pobreza e desigualdades sociais.


“A inflação impacta negativamente os índices de pobreza e atinge de forma desproporcional os mais vulneráveis, aprofundando as desigualdades sociais”, afirmou ao participar da reunião de ministros de finanças e presidentes de bancos centrais do G20, um fórum de cooperação econômica internacional criado em 1999 e formado por 19 países.


Ele se disse ainda alinhado ao governo federal e reafirmou parte do discurso proferido pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que falou antes do presidente do BC. “Lutar contra a pobreza e a desigualdade [representa] o centro das nossas propostas”, enfatizou.

Leia mais:

Imagem de destaque
BOLADA

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 56 milhões

Imagem de destaque
NO DISTRITO FEDERAL

Empresária é presa por manter relação sexual com menino de 13 anos

Imagem de destaque
TRAGÉDIA

Seis pessoas são mortas a facadas em shopping na Austrália

Imagem de destaque
VEÍCULO DA DIOCESE

Padre é parado em blitz e é preso por portar armas e munições


“A melhor contribuição da política monetária para o crescimento sustentável, baixo desemprego, aumento de renda e melhora das condições de vida da população é manter a inflação baixa, estável e previsível”, acrescentou Campos Neto ao defender a importância da estabilidade dos preços para a população.


Estabilidade


Segundo o presidente do Banco Central, o trabalho em sincronia das autoridades monetárias proporcionou um momento de estabilidade a nível global.


“Após ação sincronizada dos bancos centrais, tivemos progresso em reduzir a inflação. Mas o processo ainda não acabou. Ainda há riscos pela frente e [há] trabalho para ser feito na reta final”, sustentou.

Para Campos Neto, o aumento do endividamento dos governos durante a pandemia de covid-19 é um tema que precisará ser enfrentado no futuro.


© Copyright 2023 Grupo Tarobá