Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Polícia Federal combate fraudes bancárias em 10 estados

28/11/23 às 10:46 - Escrito por Agência Brasil
siga o Tarobá News no Google News!

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (28) a operação Não Seja um Laranja 3.


O objetivo é desarticular esquemas criminosos voltados à prática de fraudes bancárias eletrônicas. A operação conta a colaboração da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).


De acordo com os investigadores, 19 mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em dez estados, por meio das Delegacias de Repressão a Crimes Cibernéticos. Entre os alvos estão “pessoas que cederam contas pessoais para receber recursos oriundos de golpes e fraudes contra clientes bancários”.

Leia mais:

Imagem de destaque
APOSTAS ABERTAS

Mega-Sena acumula em sorteio e prêmio vai a R$ 110 milhões

Imagem de destaque
JULGAMENTOS

Dino reitera compromisso de atuar com imparcialidade no STF

Imagem de destaque
COM ADICIONAL

Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 6

Imagem de destaque
POVO YANOMAMI

Governo anuncia construção de primeiro hospital indígena

Seis mandados são cumpridos na Paraíba; dois nos estados de Alagoas, Goiás, Maranhão e Piaui; e um no Acre, Amapá, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Norte.


“Nos últimos anos, a PF detectou um aumento considerável da participação consciente de pessoas físicas em esquemas criminosos, para os quais ‘emprestam’ suas contas bancárias, mediante pagamento. Este ‘lucro fácil’, com a cessão das contas para receber transações fraudulentas, possibilita a ocorrência de fraudes bancárias eletrônicas que vitimam inúmeros cidadãos”, informou, em nota, a Polícia Federal, referindo-se aos laranjas utilizados nessas operações.


Alerta


Diante da série de fraudes bancárias eletrônicas que têm sido observadas no país, as instituições bancárias alertam que “emprestar contas bancárias para receber créditos fraudulentos é crime, além de provocar um dano considerável aos cidadãos”.


Se comprovadas as práticas criminosas, os suspeitos poderão responder pelos crimes de associação criminosa, furto qualificado mediante fraude, uso de documento falso, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Somadas, as penas podem ser superiores a 20 anos de prisão.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá