Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Trump terá que pagar multa de R$ 1,7 bi por fraude financeira

17/02/24 às 12:31 - Escrito por Band
siga o Tarobá News no Google News!

A procuradora-geral do estado de Nova York, Letitia James, comemorou nesta sexta-feira (16) sua "enorme vitória" contra o ex-presidente americano Donald Trump (2017-2021), que foi condenado a pagar multas de 355 milhões de dólares (R$ 1,76 bilhão) por vários casos de fraude em seus negócios familiares.


James, que apresentou o caso de fraude civil contra o ex-presidente, seus dois filhos mais velhos e dois ex-executivos da Organização Trump, disse em mensagens na rede social X que o republicano "finalmente está enfrentando as consequências de suas ações ilegais".


A procuradora democrata concentrou parte de sua campanha no ataque ao ex-presidente, o qual a acusou de ser parcial e até racista, liderando uma vingança política contra ele.

Leia mais:

Imagem de destaque
PEDEM REGULAMENTAÇÃO

Para especialistas PEC das Drogas é inconstitucional e agrava violência

Imagem de destaque
ECONOMIA

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos

Imagem de destaque
ENTENDA

STF começa a analisar lei que impõe restrições para laqueadura

Imagem de destaque
ENTENDA

Atividade econômica avançou 0,4% em fevereiro segundo o BC



"A favor do trabalhador que segue as regras"


Além da multa milionária contra Trump e suas empresas, o juiz Arthur Engoron, de Nova York, inabilitou o réu de atuar como diretor de qualquer empresa no estado pelos próximos três anos. Além disso, seus dois filhos mais velhos, Donald Trump Jr. e Eric Trump, terão de pagar cerca de 4 milhões de dólares cada um, e estão proibidos como diretores financeiros de qualquer empresa de Nova York.


O juiz Engoron baseou sua sentença na constatação de que Trump e os demais acusados inflaram os valores de seus ativos para garantir acordos vantajosos com bancos e seguradoras. Todos seriam "incapazes de admitir o erro de sua conduta", demonstrando "falta de contrição e remorso".


No X, a procuradora James comentou: "Os americanos comuns não podem mentir para um banco para obter uma hipoteca e, se o fizessem, nosso governo os puniria." Falando à imprensa, pouco depois do fim da audiência, ela enfatizou que a acusação demonstrara "o escopo impressionante da fraude e a maneira exata pela qual Donald Trump e os outros réus enganaram bancos, seguradoras e outras instituições financeiras para seu ganho pessoal".


E concluiu: "Hoje o tribunal decidiu novamente a nosso favor e a favor de todo americano trabalhador que segue as regras." A jurista havia solicitado originalmente uma multa de 370 milhões de dólares e uma proibição vitalícia no setor imobiliário nova-iorquino.



Trump queixa-se de perseguição política


Antes, a Justiça de Nova York já condenara o magnata republicano a pagar mais de 83 milhões de dólares à autora E. Jean Carroll por difamação. Ele enfrenta ainda outras ações jurídicas: no mesmo estado, um processo civil em torno do suborno pago à atriz pornô Stormy Daniels em 2016; na Flórida, acusações federais por manipulação de documentos confidenciais após o mandato (julgamento marcado para maio); em Washington, por interferência na eleição de 2020; na Geórgia, por tentar reverter os resultados do pleito.

Apesar dos vereditos e dos processos em curso, Trump continua sendo o principal candidato do Partido Republicano nas primárias para a eleição presidencial de novembro. E se mostra desafiador do sistema, alegando perseguição politicamente motivada.


Após o veredito desta sexta-feira, classificou o processo como "farsa", acusando o juiz Engoron de ser "extremamente hostil", e a procuradora James de "pau-mandado político". Na véspera, quando se definiu 25 de março para o início do processo sobre o caso Daniels, comentou publicamente: "Eles não iam ter trazido isso – de jeito nenhum! – exceto pelo fato de que eu sou candidato a presidente e estou indo bem."

© Copyright 2023 Grupo Tarobá