Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Cooperativas de recicláveis acumulam prejuízos e setor pode colapsar em Londrina

22/01/24 às 17:17 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

O problema da coleta dos materiais recicláveis em Londrina tomou proporções que já fugiram do controle. Segundo especialistas, a cidade pode sofrer um colapso se o poder público não agir com urgência.

 

Um dos barracões de coleta seletiva da cidade, acumula montanhas de resíduos que chegam a alcançar o teto. Segundo o presidente da cooperativa, Francisco Bittencourt, já não tem mais espaço no local para armazenar o material. Recicláveis que deveriam ter sido vendidos no ano passado perderam o valor, pois acabaram tomando chuva e sol. O esforço é grande para manter tudo seco e seguro da água.

Leia mais:

Imagem de destaque
AÇÃO PEDIA R$100 MI

Londrina terá que pagar R$ 5,18 milhões para banco após decisão do TJ-PR

Imagem de destaque
SITUAÇÃO PIOROU

Posto de combustíveis desativado se transforma em mocó na Celso Garcia Cid

Imagem de destaque
IMAGENS IMPRESSIONAM

Polícia procura motorista que atropelou em matou homem deitado no meio da rua

Imagem de destaque
PROJETO DE LEI

Empresas de transporte público terão que divulgar informações sobre veículos

 

Todo esse acúmulo se deu por conta do preço baixo pago pelo material reciclável e também o número de cooperados que tem diminuído em razão do valor pago pelo serviço. “Se a gente continuar nessa situação de não vender os materiais, a gente não consegue dar mão de obra pra ninguém. A crise está chegando dentro das cooperativas, que vão acabar se fechado. O salários mínimo aumenta todo ano, e nós não estamos vendendo. Todo mundo aqui já tem que receber o salário reajustado. Só a nossa folha de pagamento da quase R$ 50 mil”, lamentou Francisco Bittencourt.

 

Em Londrina são sete cooperativas que recebem R$ 2,07 por domicílio. Mas, para o presidente, o valor ainda não é o ideal, que deveria ser em torno de R$ 3,65. Com a dificuldade para vender os recicláveis, a cooperativa acumula material ainda de janeiro de 2023.

 

Além da questão ambiental, o assunto virou problema de saúde pública, já que são vários os recicláveis que tem acumulado água das chuvas nos galpões. De acordo com a especialista no assunto, Lilian Mara Aligleri, professora de Administração da UEL, é necessário mais investimento na coleta seletiva em Londrina. “Essa coleta porta a porta tem um custo, em especial o do combustível. O valor pago pelo poder público desde 2017 não acompanha nem de perto o aumento do preço do combustível. Isso faz com que essas cooperativas tenham que trabalhar praticamente no prejuízo”, explicou.

 

© Copyright 2023 Grupo Tarobá