Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Júri de acusados de matar psicóloga em Cascavel entra no segundo dia

23/08/21 às 19:44 - Escrito por Liliane Dias
siga o Tarobá News no Google News!

Está sendo realizado em Curitiba, o júri popular dos cinco acusados pela morte da psicóloga Melissa de Almeida Araújo, que trabalhava na Penitenciária Federal de Catanduvas, no Oeste do Paraná. Seguindo os protocolos de biossegurança, em razão da pandemia, no primeiro dia do júri, foram ouvidos: a vítima sobrevivente, o policial civil marido da Melissa de Almeida Araújo, o delegado da Polícia Federal, Marco Smith, que conduziu as investigações, e uma testemunha civil que era proprietário de uma residência alugada pelos acusados. Os  trabalhos retomam nesta terça-feira, às 9h, com a continuação da oitiva das testemunhas de acusação.


Sobre o crime

Melissa de Almeida Araújo foi baleada em maio de 2017, quando chegava em casa no bairro Canadá em Cascavel. A psicóloga estava dentro do automóvel com o marido,  policial civil, que também foi baleado  e com o  filho, na época com 10 meses que não foi atingido. Os atiradores estavam dentro de um carro, que seguia a vítima.

Leia mais:

Imagem de destaque
TENTOU LEVAR TROCO

GM prende em flagrante suspeito por tentativa de roubo contra comerciante

Imagem de destaque
DURANTE OPERAÇÃO

Monitores da PEL III são afastados após armas serem encontradas em armários

Imagem de destaque
PROPOSTAS ATÉ JULHO

Governo publica edital do anteprojeto do Terminal Metropolitano de Londrina

Imagem de destaque
REGIÃO CENTRAL

Mulher fica ferida em acidente após possível falta de atenção com sinal vermelho

Segundo as investigações, o crime foi motivado em represália à atuação regular do Estado brasileiro no controle da disciplina interna nas unidades do sistema carcerário federal.

De acordo com a acusação, os denunciados agiram no interesse da maior facção criminosa que atua em todo território nacional, movidos pelo propósito de vingança a funcionários e autoridades do Depen - Departamento Penitenciário Nacional e também motivados pela ideia de intimidação de toda a categoria de agentes penitenciários federais.

Ainda conforme as investigações, Melissa teve a rotina monitorada por pelo menos 40 dias e foi considerada alvo de "fácil alcance".  Por se tratar de crime contra a vida de servidor público federal no exercício de suas funções, a competência para julgamento é do Tribunal do Júri da Justiça Federal. 


Redação com assessoria 


Clique no vídeo e confira mais informações sobre o primeiro dia do júri, na reportagem de Rodrigo Leite, da Band Curitiba.

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá