Diretores da Petrobras deixam conselho deliberativo do Petros

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 08/06/2017 às 15:15

Foto: Agência Petrobras

Três diretores da Petrobras deixaram o conselho deliberativo do fundo de pensão dos funcionários da petroleira, o Petros, por considerarem que "o processo de mudança de governança" na fundação alcançou a "maturidade necessária", como informou o Petros em comunicado. O conselho deliberativo é o órgão máximo do fundo, responsável pela política de administração e de seus planos de benefícios. A metade dele é formada por indicados da empresa e a outra metade, eleita entre os participantes.

Deixaram o conselho deliberativo os diretores da Petrobras de Assuntos Corporativos, Hugo Repsold; de Desenvolvimento da Produção e Tecnologia, Roberto Moro; e de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino. Eles saíram após concluída a fase de transição da governança na Petros, que durou 12 meses. "Os três ex-conselheiros, que ocupam cargos de diretores na patrocinadora, avaliam que as alterações estruturais realizadas neste período podem continuar sob liderança da diretoria e dos novos integrantes do conselho deliberativo, que serão indicados pela Petrobras", informou o Petros.

Temporariamente, os cargos serão ocupados por suplentes, como prevê o estatuto da fundação. "Os novos nomes serão divulgados tão logo sejam escolhidos", afirma a nota.



Relacionados

Economia | 17-01-2019 11:16

Proposta prevê benefício menor que o salário mínimo

Proposta prevê benefício menor que o salário mínimo

Economia | 17-01-2019 11:10

Governo Bolsonaro quer restringir acúmulo de pensão com aposentadoria

Governo Bolsonaro quer restringir acúmulo de pensão com aposentadoria

Economia | 17-01-2019 10:55

Juros ganham força com dólar em meio à releitura sobre reforma da Previdência

Juros ganham força com dólar em meio à releitura sobre reforma da Previdência

Economia | 17-01-2019 10:50

Intenção de consumo das famílias cresce 5,1% em janeiro, diz CNC

Intenção de consumo das famílias cresce 5,1% em janeiro, diz CNC