IFI prevê déficit primário de R$ 144,1 bi para governo central em 2017

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 12/06/2017 às 16:05

O Instituto Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal espera um resultado primário negativo em R$ 144,1 bilhões do governo central neste ano, o equivalente a 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB). A projeção significa descumprimento em relação à meta fixada para este ano, de déficit de R$ 139 bilhões em 2017. "A receita está tendo desempenho muito negativo por conta da atividade econômica. Há risco muito grande à meta, pois receitas extraordinárias também podem ter frustração", disse o diretor executivo da instituição, Felipe Salto.

Segundo o economista, a entidade ainda considera a possibilidade de o governo cumprir a meta este ano, mas já está "começando a fazer ressalvas" diante da possibilidade de frustração de receitas. Só nos primeiros quatro meses, houve frustração de R$ 19,4 bilhões, segundo o IFI.

Para 2018, a projeção também é de descumprimento da meta, fixada em déficit de R$ 129 bilhões. A IFI espera rombo até maior do que neste ano, de R$ 167 bilhões (2,39% do PIB).

Segundo Salto, apesar do avanço significativo do PIB, de 1% no primeiro trimestre ante o último trimestre do ano passado, a recuperação ainda é muito incerta, e isso tem impacto sobre a arrecadação do governo.



Relacionados

Economia | 21-01-2019 14:50

Bolsonaro diz que discurso de terça-feira no Fórum Econômico será curto e direto

Bolsonaro diz que discurso de terça-feira no Fórum Econômico será curto e direto

Economia | 21-01-2019 14:15

Concessões de aeroportos envolverão investimento de R$ 8,8 bi, diz secretário

Concessões de aeroportos envolverão investimento de R$ 8,8 bi, diz secretário

Economia | 21-01-2019 14:00

WhatsApp limita reenvios de mensagens a cinco usuários em todo o mundo

WhatsApp limita reenvios de mensagens a cinco usuários em todo o mundo

Economia | 21-01-2019 13:40

Preço nominal de imóveis volta a crescer em 2018 após 3 anos de queda, diz Abecip

Preço nominal de imóveis volta a crescer em 2018 após 3 anos de queda, diz Abecip

PUBLICIDADE