Petrobras retomará publicação de novos projetos de desinvestimentos após STF

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 14/01/2019 às 10:30

Após decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal assinada na última sexta-feira, 11, a Petrobras informa que retomará a publicação de eventuais oportunidades relacionadas a novos projetos de desinvestimentos de Exploração & Produção, "seguindo o curso normal de seus negócios".

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, decidiu derrubar uma decisão do ministro Marco Aurélio Mello, de 19 de dezembro, na ação direta de inconstitucionalidade de nº 5942, que comprometia a venda de ativos pela estatal, até o seu julgamento pelo plenário.

A decisão de Toffoli restaura a vigência do decreto 9.355 de 2018 e vale até o dia 27 de fevereiro, quando o plenário do Supremo vai analisar uma ação do Partido dos Trabalhadores que contesta a medida.

No mesmo comunicado, a Petrobrás diz que encaminhou para a Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) a informação de que está em processo de desinvestimento em cerca de 70% das suas 254 concessões em campos maduros em terra e águas rasas, "solicitando prazos compatíveis para sua conclusão pelo fato de a Petrobras seguir sistemática interna de desinvestimentos validada pelo Tribunal de Contas da União (TCU)".



Relacionados

Economia | 18-01-2019 19:00

No nono recorde em 2019, Ibovespa supera os 96 mil pontos pela primeira vez

No nono recorde em 2019, Ibovespa supera os 96 mil pontos pela primeira vez

Economia | 18-01-2019 18:59

Super Muffato realiza promoção com produtos abaixo de R$ 0,99 e descontos em grandes marcas

Super Muffato realiza promoção com produtos abaixo de R$ 0,99 e descontos em grandes marcas

Economia | 18-01-2019 18:50

Discussão sobre tarifa e modelo de entrada e saída adiaram licitação do Gasbol

Discussão sobre tarifa e modelo de entrada e saída adiaram licitação do Gasbol

Economia | 18-01-2019 18:45

MP antifraude cria carência de 24 meses para INSS conceder auxílio-reclusão

MP antifraude cria carência de 24 meses para INSS conceder auxílio-reclusão

PUBLICIDADE