Taxas de juros andam na contramão do dólar e fecham em baixa

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 16/06/2017 às 18:00

O mercado futuro de juros ajustou toda a curva a termo para baixo nesta sexta-feira, 16, pós-feriado de Corpus Christi, na contramão do dólar, que voltou a se fortalecer ante o real. Mesmo com o noticiário bastante escasso, a queda das taxas ainda ganhou fôlego extra à tarde, com alguns contratos renovando mínimas em relação ao período da manhã. O movimento de baixa foi considerado forte para um dia de alta do dólar e liquidez reduzida e surpreendeu alguns profissionais do mercado.

No fechamento do horário regular de negociação, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2019 terminou com taxa de 9,105%, ante 9,165% do ajuste de quarta-feira e com 221.530 negócios. O vencimento de janeiro de 2019 projetou 9,09%, ante 9,20% (172.040 contratos). Na ponta mais longa, o DI para janeiro de 2021 terminou o dia em 10,10%, de 10,26% do ajuste anterior (147.715 contratos negociados).

Dois fatores foram apontados como cruciais para o fechamento das taxas. Um deles foi o anúncio da redução de preços dos combustíveis, cujo potencial desinflacionário é bastante significativo. Nas refinarias, o preço da gasolina teve recuo de 2,3%, enquanto o diesel foi reduzido em 5,8%, dentro da nova política de reajustes da Petrobras, mais alinhada às oscilações da commodity no mercado internacional.

Outro fator apontado pelos analistas foi a entrevista exclusiva do Broadcast (serviço de notícias fechado em tempo real do Grupo Estado) com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn. Ele afirmou que o caminho de desinflação e de redução da Selic está dado e que a discussão hoje é sobre o ritmo de cortes e sobre a extensão do ciclo de flexibilização. "O que eu quero passar é que isso vai depender do desenvolvimento, tanto das reformas e dos ajustes quanto da inflação e da atividade", disse.

"Um conjunto de fatores determinou a queda das taxas hoje, passando pelo cenário internacional mais tranquilo, pela redução dos preços dos combustíveis e também porque muitos traders viram um discurso mais 'dovish' do presidente do Banco Central na entrevista", disse Luís Felipe Laudisio dos Santos, operador de renda fixa da Renascença Corretora.



Relacionados

Economia | 05-10-2018 18:55

Ibovespa tem nova correção antes da eleição e cai 0,76%

Ibovespa tem nova correção antes da eleição e cai 0,76%

Economia | 05-10-2018 18:25

Dólar cai para R$ 3,8560 e tem maior queda semanal desde março de 2016

Dólar cai para R$ 3,8560 e tem maior queda semanal desde março de 2016

Economia | 05-10-2018 17:16

Ações da fabricante de armas Taurus subiram mais de 100% em 60 dias

Ações da fabricante de armas Taurus subiram mais de 100% em 60 dias

Economia | 05-10-2018 16:04

Construtora investigada na Lava Jato ganha licitação milionária para pavimentação de rodovia no Paraná

Construtora investigada na Lava Jato ganha licitação milionária para pavimentação de rodovia no Paraná

PUBLICIDADE