Novo loteamento da COHAB terá infraestrutura para mais de 300 famílias

Redação Tarobá News
Paraná | Publicado em 05/12/2019 às 20:22

A COHAB vai licitar a construção de um loteamento na zona norte. Entre as prioridades está a regularização de quem vive na ocupação do Aparecidinha.  Na área com 114 mil m² vai ser construída a infraestrutura para 331 terrenos. O investimento é de mais de R$ 5 milhões, recursos da companhia.

Os terrenos financiados pela COHAB vão ter entre 142 e 375 m². O endereço do loteamento é ao fundos do São Jorge, e ao lado do Horizonte II. Algumas famílias já ocuparam a área. A licitação para a contratação da empreiteira deve ser publicada nos próximos dias.

O prazo para a construção foi estabelecido em 1 ano. Hoje, mais de 52 mil pessoas têm cadastro na COHAB e aguardam por moradia. Os lotes do Jequitibá vão ser oferecidos primeiramente para quem é da região. Essa seria uma forma de regularizar a situação de quem vive no Aparecidinha. Cerca de 700 famílias moram na ocupação.

A justificativa para priorizar quem mora próximo ao local é não sobrecarregar serviços públicos como o transporte, escolas e postos de saúde. Para a construção das casas, a COHAB vai oferecer assistência técnica. O plano do presidente da Companhia no futuro é ampliar o Jequitibá e comprar o terreno do Aparecidinha, que é particular, para um outro loteamento.

Reportagem: heloísa Pedroasa



Relacionados

Londrina | 24-01-2020 18:58

Fim de semana será de sol e calor em Londrina; confira a previsão do tempo

Fim de semana será de sol e calor em Londrina; confira a previsão do tempo

Londrina | 24-01-2020 18:56

Secretaria de Saúde prossegue com mutirão de limpeza no Santa Fé

Secretaria de Saúde prossegue com mutirão de limpeza no Santa Fé

Londrina | 24-01-2020 17:57

Sala do Empreendedor lança agendamento online para MEIs

Sala do Empreendedor lança agendamento online para MEIs

Toledo | 24-01-2020 16:53

Justiça nega recurso e mantém suspensão das obras do Hospital Regional que implicariam gasto de R$ 9,3 milhões

Justiça nega recurso e mantém suspensão das obras do Hospital Regional que implicariam gasto de R$ 9,3 milhões

PUBLICIDADE