Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Desautorizar STF a julgar denúncia é virar as costas para o povo, diz Damous

12/07/17 às 12:25 - Escrito por Estadão Conteúdo
siga o Tarobá News no Google News!

O deputado Wadih Damous (PT-RJ) considera que a defesa de Michel Temer não conseguiu "desconstruir" a denúncia contra o presidente da República. O parlamentar defendeu que os deputados devem aprovar a admissibilidade do processo para averiguar se o peemedebista cometeu crime de corrupção passiva.

"A sociedade tem o direito de saber se o presidente praticou esses atos, não podemos impedir que a sociedade participe desse julgamento. Se desautorizarmos o Supremo Tribunal Federal (STF) para julgar essa denúncia, se matarmos essa denúncia aqui, estaremos virando as costas para o povo brasileiro", considerou o petista.

Para Damous, os fatos apresentados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) na denúncia são "incontroversos". "Nós não estamos aqui julgando Michel Temer, não estamos aqui fazendo juízo de mérito, o juízo de admissibilidade é autorizativo e não de mérito", disse.

Leia mais:

Imagem de destaque
SAIBA MAIS

TSE rejeita recurso de Cloara Pinheiro; defesa diz que decisão não afeta mandato

Imagem de destaque
ACUSADO DE XENOFOBIA

Câmara de Apucarana descarta cassação de Vereador

Imagem de destaque
ENTENDA

STF anula mais uma condenação de Moro contra André Vargas na Lava Jato

Imagem de destaque
ENTENDA

Terminal Rodoviário é novo ponto de votação para as eleições de 2024

Damous admitiu que o juízo da Câmara é político, mas ressaltou que os deputados não estão afastados da obrigação de examinar juridicamente a consistência da denúncia. "A prova gravação foi obtida mediante tortura? Não", avaliou.

Já o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), aliado de Temer, rebateu que o áudio gravado por Joesley Batista com o presidente "é ilegal e imprestável". Ele classificou o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) pela admissibilidade da denúncia como "nefasto", "frágil" e "sem provas". Ele pediu que os colegas "reflitam antes de respaldar uma insanidade".

Marun acusou a oposição de se unir a "oportunistas" para "condenar um homem sem provas". "Não conseguiram provas porque não puderam. Diante da impossibilidade de produzir provas, produziram dúvidas", declarou Marun. Ele disse ainda que a oposição tem um "desejo de vingança" contra Temer por conta do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá