Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Fachin não libera investigação contra Maia para sorteio

04/07/17 às 20:45 - Escrito por Estadão Conteúdo
siga o Tarobá News no Google News!

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou redistribuir um inquérito em tramitação contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), alegando que há conexão com uma investigação já em curso no âmbito da Lava Jato - a que apura suposta formação de quadrilha por parte de integrantes do Partido dos Trabalhadores. Fachin também autorizou a prorrogação do prazo para a conclusão da investigação por 60 dias.

Com base na delação da Odebrecht, a Procuradoria-Geral da República (PGR) investiga Rodrigo Maia e o pai, o ex-prefeito do Rio de Janeiro César Maia, sob a suspeita de que "teriam solicitado e recebido vantagens indevidas entre 2008 e 2013, a pretexto de auxílio a campanhas eleitorais e com fortes indícios de contrapartida relativa à aprovação da Medida Provisória nº 613/2013". Esta medida provisória concedia incentivos tributários a empresas químicas e interessava à Braskem, uma das empresas do Grupo Odebrecht.

É justamente em relação à MP 613 que a PGR apontou uma ligação entre as investigações. O procurador-geral, Rodrigo Janot, afirmou ao ministro Fachin que o acerto em torno da edição de medidas legislativas que beneficiavam o grupo Odebrecht, mesmo vindo do Poder Executivo na gestão do PT, "já contemplava a utilização da base aliada do governo para sua aprovação, o que não impedia o pagamento de valores avulsos diretamente aos parlamentares envolvidos em cada matéria". É o que teria acontecido na MP 613, de acordo com Janot.

Leia mais:

Imagem de destaque
SAIBA MAIS

TSE rejeita recurso de Cloara Pinheiro; defesa diz que decisão não afeta mandato

Imagem de destaque
ACUSADO DE XENOFOBIA

Câmara de Apucarana descarta cassação de Vereador

Imagem de destaque
ENTENDA

STF anula mais uma condenação de Moro contra André Vargas na Lava Jato

Imagem de destaque
ENTENDA

Terminal Rodoviário é novo ponto de votação para as eleições de 2024

"No que concerne às ilicitudes descritas envolvendo a edição e aprovação de medidas legislativas benéficas ao grupo Odebrecht, não há como se dissociar, nesse momento, a investigação das ações de integrantes do PT das condutas dos integrantes dos partidos da sua base aliada, em especial do PMDB", disse Janot.

O procurador lembrou que "os valores pagos a título de propina pela aprovação dessas medidas está intrinsecamente relacionado à 'conta corrente' mantida entre o grupo Odebrecht e integrantes do governo federal à época dos fatos" e isso "constitui uma das principais linhas investigatórias do Inquérito n. 4.325/STF". Fachin concordou com a argumentação.

"Estando sob minha relatoria o Inquérito 4.325, conexo a este feito, nada há que se determinar quanto à eventual redistribuição", disse o relator da Operação Lava Jato.

O caso

No inquérito em que Maia é investigado, cinco delatores relataram elos de Rodrigo Maia com setor de propinas da empreiteira. A PF apontou necessidade de voltar a ouvir três deles: Benedicto Júnior, João Borba Filho e Luiz Eduardo Soares.

Na decisão em que determinou a abertura da investigação, Fachin registrou que um colaborador contou que em 2008 Rodrigo Maia "solicitou e recebeu a soma de R$ 350 mil, a pretexto de auxílio à campanha eleitoral". Ainda amparado nas informações do procurador, Fachin assinalou que no ano de 2010 Maia "solicitou novo repasse, dessa feita para campanha de seu genitor, César Maia, sendo autorizado o pagamento de R$ 600 mil". Desse montante, R$ 400 mil teriam sido repassados ao parlamentar "por via do mesmo departamento do Grupo Odebrecht".

Os delatores apresentaram à Procuradoria um cronograma constante no sistema 'Drousys', instalado no "Setor de Propinas", e apontaram o nome de João Marcos Cavalcanti de Albuquerque, "assessor do deputado federal Rodrigo Maia, como intermediário das operações". O pedido de Janot ao ministro relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal descreve, ainda, "outros pagamentos no contexto de aprovação de medida provisória e para eleição do ano de 2014". Na avaliação de Janot, o presidente da Câmara teria praticado os crimes de corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá