Gabinete de crise pode ter médica alinhada a presidente

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 07/04/2020 às 07:25

Após almoço com o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira, 6, a médica imunologista Nise Yamaguchi confirmou ao jornal O Estado de S. Paulo, por meio da assessoria, que foi convidada para integrar o gabinete de crise do Planalto criado para monitorar o avanço do novo coronavírus no Brasil. Ela disse que ainda avalia se vai aceitar a função.

Nise defende o chamado isolamento vertical, focado apenas no grupo de risco (idosos e doentes crônicos), e tem pesquisas relacionadas ao uso da cloroquina no combate ao novo coronavírus. As duas pautas são tidas como prioritárias pelo presidente Jair Bolsonaro, além de serem motivo de desgaste entre ele e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Nise tem o apoio da ala ideológica do governo, comandada pelo vereador Carlos Bolsonaro, para substituir Mandetta. Ela negou ter sido sondada para o cargo durante encontro ontem.

A reunião entre Nise e Bolsonaro ocorreu na presença de ministros palacianos e do ex-ministro Osmar Terra, que apoia o discurso contrário ao distanciamento social. Este é o segundo encontro que o presidente promove para discutir questões de saúde sem a presença de Mandetta. Na semana passada, ele reuniu um grupo de médicos para discutir a utilização da cloroquina sem informar o ministro da Saúde. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Relacionados

Política | 24-05-2020 07:55

Celso de Mello lembra Watergate em decisão

Celso de Mello lembra Watergate em decisão

Política | 24-05-2020 07:48

Oposição quer inquérito contra ministros na PGR e no Supremo

Oposição quer inquérito contra ministros na PGR e no Supremo

Política | 23-05-2020 22:02

'Nosso futuro é apenas um jogo para eles', diz Greta sobre fala de Salles

'Nosso futuro é apenas um jogo para eles', diz Greta sobre fala de Salles

Política | 23-05-2020 20:23

Bolsonaro diz só querer entregar 'esse Brasil melhor' para quem sucedê-lo

Bolsonaro diz só querer entregar 'esse Brasil melhor' para quem sucedê-lo