Queiroz diz que dança no hospital foi para levar alegria à enfermaria

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 12/01/2019 às 20:15

Em novo vídeo divulgado por sua família, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício de Queiroz, deitado em uma cama, diz que a gravação em que aparece dançando no hospital Albert Einstein aconteceu porque ele quis dar "cinco segundos de alegria a uma tristeza que se tomava dentro da enfermaria".

Ele disse também estar revoltado com a circulação do vídeo e que estava apenas comemorando a virada do ano com a sua família.

"Estão dizendo que nesse vídeo eu estava comemorando o não comparecimento meu ao Ministério Público. Isso é muita maldade", afirmou.

Queiroz afirmou que está se recuperando de uma operação para a retirada de um câncer (feita, segundo ele, no dia 1º de janeiro) e que está no aguardo para passar por um tratamento médico. "Tão logo acabe tudo isso, eu estarei pronto para esclarecer qualquer dúvida ao Ministério Público", afirmou. Ao Estado, Queiroz disse que o tratamento poderia levar de três a seis meses.

O vídeo, gravado por uma filha de Queiroz, viralizou neste sábado nas redes sociais. A defesa diz que as imagens foram feitas em 'raro momento de descontração'. As imagens foram feitas na virada do ano, no dia 31 de dezembro, dentro do quarto do hospital, onde o ex-assessor estava internado. Queiroz afirmou que foi submetido no dia seguinte a uma cirurgia para a retirada de um câncer no intestino.



Relacionados

Política | 22-01-2019 16:05

'A corrupção é causa de morte social', diz Raquel Dodge

'A corrupção é causa de morte social', diz Raquel Dodge

Política | 22-01-2019 13:40

PGR pede mais 60 dias para investigar Renan, Jader, Eunício, Raupp e Braga

PGR pede mais 60 dias para investigar Renan, Jader, Eunício, Raupp e Braga

Política | 22-01-2019 13:10

Os cinco finalistas a 'novo Moro' na Lava Jato

Os cinco finalistas a 'novo Moro' na Lava Jato

Política | 22-01-2019 12:50

Luiz Fux diz que STF não pode ter receio de desagradar opinião pública

Luiz Fux diz que STF não pode ter receio de desagradar opinião pública

PUBLICIDADE