Ratinho Junior indefere pedido de aposentadoria da ex-governadora Cida Borghetti

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 26/06/2019 às 18:31

O governador Carlos Massa Ratinho Junior indeferiu nesta quarta-feira (26) o pedido da ex-governadora Cida Borghetti para receber verba de representação, conhecida também como pensão vitalícia. A decisão se baseia na ausência de amparo legal.

No início da gestão, Ratinho Junior enviou Proposta de Emenda Constitucional (PEC) à Assembleia Legislativa para acabar com a aposentadoria de governadores. Promulgada em maio, a medida revogou parte do artigo 85 da Constituição do Estado do Paraná, que permitia o pagamento de uma verba mensal e vitalícia para ex-governantes.

O texto que deixou de existir na Constituição Estadual previa que quem tivesse “exercido o cargo de governador, desde que não tenha sofrido a suspensão dos direitos políticos, terá direito a um subsídio mensal e vitalício igual aos vencimentos do cargo de desembargador do Tribunal de Justiça do Paraná.”

CUSTO - O Estado gasta cerca de R$ 4 milhões por ano com o pagamento do benefício a oito ex-governadores e três viúvas de ex-governantes. O valor da pensão é de R$ 30.471,11.

Atualmente recebem a aposentadoria os ex-governadores Beto Richa, Orlando Pessuti, Jaime Lerner, Mário Pereira, Roberto Requião, João Elízio de Ferraz Campos, Emílio Gomes e Paulo Pimentel; além de três viúvas: Arlete Richa, Madalena Mansur e Rosi Gomes da Silva.



Relacionados

Política | 19-10-2019 12:25

PSL, 99% fiel ao governo, ameaça pauta de Bolsonaro

PSL, 99% fiel ao governo, ameaça pauta de Bolsonaro

Política | 19-10-2019 10:35

IAB diz que declarações de Barroso são 'distantes e desconectadas'

IAB diz que declarações de Barroso são 'distantes e desconectadas'

Política | 19-10-2019 09:35

Em carta, governadores do NE defendem Paulo Câmara após crítica de Bolsonaro

Em carta, governadores do NE defendem Paulo Câmara após crítica de Bolsonaro

Política | 19-10-2019 07:40

Para Zema, partido Novo deve se alinhar a Bolsonaro

Para Zema, partido Novo deve se alinhar a Bolsonaro