Linha 4

Publicidade

Motorista ameaça e agride testemunha para mudar versão sobre acidente

Weslley Lemos

Uma testemunha de um acidente que aconteceu no dia 18 de outubro de 2019, em Cambé, procurou a Polícia Civil nesta segunda-feira (22) após ser agredido. O motorista do carro que provocou a batida, Eldenir Lino Pires, de 38 anos, passará por júri popular na próxima quinta-feira (25). O motociclista Kevin Cristian Semcovici de Melo, que tinha 19 anos, foi atendido por socorristas do Siate e equipe médica do Samu, mas faleceu posteriormente no Hospital Universitário (HU) de Londrina.

O rapaz, que foi arrolado como testemunha no processo, afirma que foi agredido e ameaçado por Pires e uma outra pessoa, que seria uma passageira no automóvel no dia do fato. “Ameaçou querendo que eu mudasse a versão do acidente, falei que jamais iria mudar, foi ai que ele partiu para agressão. Tentou matar eu, parecia que era coronhada quando senti na minha cara, machucou, quebrou meu dente e o queixo”, relatou.

Ele preferiu não se identificar e registrou um Boletim de Ocorrência na delegacia com diversos ferimentos no rosto. Em entrevista exclusiva à Tarobá, contou ainda que foi salvo por um conhecido que passou no momento em que estava sendo violentamente agredido. Afirma que continua sendo ameaçado, mas vai manter a sua versão no julgamento. Assista!

O acidente
O acidente aconteceu na rua Pascoal Moreira Cabra, no jardim Riviera, em Cambé. Depois de atropelar o jovem, Pires fugiu do local e se apresentou apenas na delegacia. De acordo com o inquérito da Polícia Civil, ele estava bêbado no momento da batida e teria invadido a preferencial.

A testemunha afirma que além de fugir do local, Pires teria dito que Kevin já estava morto. “O mais revoltante foram as palavras que ele falou: ‘Já era, o moleque está queimando no quinto do infernos, já morreu’. Na hora que a filmagem pega eu na rua, olho para trás para tentar pegar a placa do carro”, disse.

Justiça
Pires respondeu todo o processo em liberdade. A Justiça marcou o júri popular e ele será julgado por homicídio com dolo eventual, quando se assumi o risco de matar, e omissão de socorro.

Kevin Cristian Semcovici de Melo, vítima do acidente. Foto: Arquivo Pessoal

COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade