Linha 4

Publicidade

Ibiporã lança documentário sobre a trajetória de Henrique de Aragão

Redação Tarobá News

Ibiporã lançou na última semana o documentário “Henrique de Aragão – um artista transcendente”, produzido com recursos da Lei Aldir Blanc. 

O filme teve direção do jornalista Daniel da Silva e direção de fotografia de Túlio Frigeri. O jornalista produziu um documentário de 20 minutos sobre a trajetória do artista plástico, estruturado por meio de depoimentos, registros do próprio artista e outras formas de composição visual e narrativa, retratando de forma poética o conceito de sua obra.

Em discurso que antecedeu a exibição, o prefeito José Maria Ferreira relembrou os importantes momentos de Aragão e seu pioneirismo no incentivo às artes, em Ibiporã: “Henrique foi um artista completo, que fomentou as mais diversas formas de arte, que fazia dela um abraço àqueles que conhecia. Henrique não teve unanimidade, mas teve personalidade, uma personalidade forte com a qual defendeu com firmeza os seus ideais, suas artes, suas crenças. Henrique de Aragão foi um artista transcendente, foi um ser humano completo que escolheu Ibiporã como sua casa, a casa de sua arte até 2015, quando retornou ao cosmos, como ele próprio dizia”, concluiu o prefeito.  

Os convidados foram recebidos no Cine Teatro, onde o prefeito José Maria Ferreira e o secretário de Cultura e Turismo, Luciano Betiate, deram as boas vindas e parabenizaram a qualidade da produção e ressaltaram a importância do investimento público para alavancar produções como essa. Após os agradecimentos e a exibição do documentário, todos foram recepcionados pela equipe da Secretaria de Cultura na Casa de Artes e Ofícios Paulo VI, local onde Henrique de Aragão viveu e trabalhou por quase 50 anos, de 1966 a 2015, quando faleceu, no dia 25 de agosto.

A Casa de Artes passou por recente reforma e está aberta ao público (pequenos grupos) nos dias de semana, seguindo as normas de segurança.

SOBRE A PRODUÇÃO

O documentário “Henrique de Aragão – um artista transcendente” foi uma das três propostas apresentadas ao edital 005/2020, que fez a seleção de projetos audiovisuais no município de Ibiporã, com o objetivo de fomentar criações e a produção de conteúdo local.

Seguindo a proposta do edital, o diretor Daniel da Silva produziu um documentário de 20 minutos sobre a trajetória de Henrique de Aragão, estruturado por meio de depoimentos, registros do próprio artista e imagens de arquivo, muitas delas cedidas pelo Museu Histórico e de Artes de Ibiporã (MHAI), órgão da SMCT, para compor visualmente a narrativa, retratando de forma poética o conceito de sua obra. “Henrique foi autodidata e tinha um jeito muito peculiar de fazer arte. A conexão dele com a espiritualidade era algo realmente transcendental. Por isso o nome do documentário “Henrique: um artista transcendente”, explica o diretor.

DEPOIMENTOS DE AMIGOS

De acordo com ele, o objetivo do documentário foi divulgar o que ainda não havia sido documentado sobre esse ícone da arte sacra no Brasil. “Procuramos abordar, por meio de depoimentos de artistas e pessoas que tiveram uma convivência mais próxima com o artista, aspectos de sua vida pessoal e profissional, destacando sua técnica, principalmente as esculturas confeccionadas em aço inox.

O filme traz depoimentos do padre João Giomo, que teve uma atuação próxima de Henrique, como pároco da Igreja Matriz, e dos artistas e amigos do homenageado, como Agnaldo Adélio Eduado, Gastão Botti, Marcos de Alencar Pelisson e Marilza Ribeiro. Tem ainda uma participação especial da atriz e jornalista Thainara Pauleti Fernandes, interpretando um texto de Henrique sobre a obra "O Passageiro".

O filme também ressalta a versatilidade artística de Henrique de Aragão, que além de escultor, foi pintor, desenhista, dramaturgo, poeta e animador cultural. Ou seja, um artista completo”, afirmou o diretor.

Parabenizando a produção, o secretário Luciano Betiate destacou a importância da Lei Aldir Blanc. “A classe artística foi duramente atingida pelas restrições da pandemia. As ações emergenciais destinadas ao setor não apenas socorrem financeiramente o artista, ajudando a movimentar a economia e a cadeia produtiva cultural do município, mas também possibilita acessar diferentes manifestações, visto que os editais de fomento são em várias áreas”, afirmou.

COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade