Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Família cobra prefeitura por demora do Samu após morte de pioneira da Apae

31/10/23 às 14:24 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

A família de uma idosa de 73 anos, que morreu no último domingo (29), cobra uma resposta da prefeitura quanto à demora no atendimento da ambulância do Samu.


A espera pelo serviço chegou a 5h.


A mulher era uma das pioneiras da Apae em Londrina.

Leia mais:

Imagem de destaque
871 CONFIRMAÇÕES

Regional de Londrina é líder em casos de dengue no Paraná, segundo boletim

Imagem de destaque
PROTEJA-SE

Saúde disponibiliza novas doses da vacina bivalente para grupos prioritários

Imagem de destaque
REDE PÚBLICA

Criança terá que esperar por consulta com cardiopediatra até março de 2024

Imagem de destaque
EXPECTATIVA EM ALTA

Secretaria de Saúde entrega mais de 200 aparelhos auditivos em Londrina


Dona Elizabeth Teresinha era psicopedagoga e, durante muito tempo, cuidou de crianças especiais na Apae. Ela sofria com Alzheimer.


A dor da perda vem acompanhada de indignação. Dona Elizabeth passou mal na última quinta-feira (26). O filho, Beto Ávila, ligou para o Samu e aguardou por aproximadamente 5h por uma ambulância.


Com a demora, ele decidiu contratar um serviço particular que custou R$900. O atendimento foi realizado em dez minutos, mas o estado de saúde de dona Elizabeth já havia piorado.


Ela foi encaminhada para a Santa Casa, mas acabou morrendo três dias depois.


“No que eles colocaram a minha mãe na ambulância, ela teve uma parada cardíaca. Os socorristas conseguiram levá-la com vida, ao hospital, mas ela não resistiu” conta Beto Ávila.


O caso de dona Elizabeth não é um fato isolado. Apesar do município demonstrar investimentos na estrutura de Saúde, com a reforma de unidades e na contratação de agentes e médicos, a população reclama que, na prática, o atendimento nos serviços de urgência está muito precário.


Um exemplo desse problema está nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), onde é grande a quantidade de reclamações pela demora. Pacientes chegam a passar o dia, ou uma noite inteira, para concluir uma consulta simples.


Mesmo os idosos, que tem prioridade de atendimento, enfrentam a demora.


Há uma semana, um homem de 22 anos morreu enquanto aguardava atendimento na UPA do Jardim do Sol.


Ele já havia buscado a unidade no domingo, recebeu alta e foi para casa no mesmo dia.

Depois, ele retornou com problemas respiratórios e não resistiu.


No caso da dona Elizabeth, o filho procurou a Ouvidoria do Município e aguarda uma resposta.


Ele cobra ações práticas de gestores e políticos, para que façam melhorias que resolvam, de fato, o problema que atinge a população e que depende da saúde pública.


A Secretaria de Saúde recebeu a reclamação, através da Ouvidoria, e está fazendo o levantamento das informações para analisar o caso.


A resposta será encaminhada para a pessoa que registrou a denúncia.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá