Após peça polêmica, direção do Hugo Simas registra boletim de ocorrência por ameaça

Redação Tarobá News
Educação | Publicado em 07/11/2019 às 21:10

Foto: reprodução

A equipe de direção do Colégio Estadual Hugo Simas apresentou para a APP Sindicato Londrina um conjunto de documentos que demonstram várias situações de ameaças e intimidações que têm sofrido. Em uma das mensagens publicadas nas redes sociais um homem ameaça “Mata a diretora e os responsáveis pelo evento… Se fizer isso com meus filhos o evento vai ter o fim mais feliz da história do país”

Num outro diálogo outro homem escreve “Certo é pegar um por um e espancar até a morte”. A análise inicial do material traz também um trecho que alguém reforça “essa diretora merece um processo por danos contra sua filha e de brinde uma surra”. Diante da gravidade do caso, hoje, 07 de novembro, a equipe de direção da escola e a APP Sindicato Londrina realizaram um boletim de ocorrência na 10ª subdivisão da polícia civil.

As ameaças começaram no início desta semana, com a divulgação de um vídeo nas redes sociais em que a mãe de uma estudante afirma equivocadamente que uma atividade cultural realizada na escola na última sexta feira, 01 de novembro, com estudantes do período noturno teriam o objetivo de estimular “os estudantes a se revoltarem contra a escola”. Na ocasião, a direção da escola, publicou uma nota esclarecendo que o relato da mãe sobre a peça teatral que fazia parte da programação do FILO – Festival Internacional de Londrina não estava correto. O documento deixou claro ainda que durante a atividade não ocorreu nenhuma irregularidade.

Apesar das informações apresentadas pela escola que demonstram que as acusações apresentadas não têm nenhum fundamento, o caso continuou a ter grande repercussão nas redes sociais e na imprensa local. Alguns apresentadores de programas de televisão e de rádio, sem nenhum cuidado e num claro processo de criminalização e estímulo à violência contra escola e a equipe de direção reproduziram equivocadamente a versão apresentada pela mãe. O processo de desinformação e perseguição contra a escola e a equipe de direção foi estimulado também por alguns vereadores e deputados estaduais. Num vídeo que circula no seu perfil pessoal, o deputado federal Filipe Barros expõe a direção da escola.

O secretário de assuntos jurídicos da APP Sindicato Londrina, Rogério Nunes da Silva, “orienta que é importante que a categoria documente e arquive todas as mensagens ofensivas à escola, a sua direção, professores (as) e funcionários (as). É grave que servidores públicos no exercício da função sejam ameaçados. É preciso que o Núcleo Regional Educação – NRE/Londrina e a Secretária da Educação e do Esporte – SEED tomem medidas para proteger à direção e toda a comunidade escolar. Estamos estudando e na sequência tomaremos todas as medidas jurídicas necessárias contra aqueles (as) que cometeram estes atos de violência”.

A APP Sindicato Londrina reitera que a onda de criminalização e denuncismo contra os educadores (as) é algo grave e que não devem ser tolerados. Diante destas situações é fundamental que o professor (a) e funcionário (a) vítima de ameaça no exercício da função documente os fatos procure o Sindicato.

Fonte: APP Sindicato 



Relacionados

Califórnia | 10-12-2019 10:03

Projeto sobre violência doméstica mobiliza cidade

Projeto sobre violência doméstica mobiliza cidade

Foz do Iguaçu | 09-12-2019 17:39

Policial do Escola Segura leva arte marcial milenar aos estudantes

Policial do Escola Segura leva arte marcial milenar aos estudantes

Curitiba | 09-12-2019 17:12

Integrantes do FES são impedidos de acompanhar a sessão na CCJ

Integrantes do FES são impedidos de acompanhar a sessão na CCJ

Foz do Iguaçu | 09-12-2019 10:42

Policial do Escola Segura leva arte marcial milenar aos estudantes

Policial do Escola Segura leva arte marcial milenar aos estudantes

PUBLICIDADE