Bahamas confirma ao menos 20 mortos após passagem do furacão Dorian

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 04/09/2019 às 21:20

O número de mortos pelo furacão Dorian nas Bahamas passou de 7 para 20, e ainda poderá aumentar, anunciou nesta quarta-feira, 4, o ministro da Saúde do arquipélago caribenho, Duane Sands.

Segundo o ministro, "os trabalhos de resgate e verificação nas casas inundadas apenas começou". Ele ainda informou que 17 das vítimas são das Ilhas Ábaco, que receberam o Dorian com categoria 5 no domingo, e três são de Grand Bahama, que foi atingida pelo Dorian na segunda-feira, na categoria 4.

Três das vítimas morreram a caminho de um hospital na cidade de New Providence, também no arquipélago.

Os esforços para resgatar sobreviventes do Dorian foram redobrados nesta quarta nas Bahamas, com o apoio dos Estados Unidos e do Reino Unido, em meio à grande devastação causada pelo furacão neste arquipélago do Oceano Atlântico.

Os bahamenses utilizavam jet-skis e botes para retirar as pessoas presas em suas casas inundadas e destruídas pelas intensas chuvas e ventos de um dos ciclones mais potentes de que se tem registro.

A Guarda Costeira americana e a Marinha Real britânica se somaram às equipes de resgate com helicópteros, conduzindo evacuações médicas e avaliações aéreas para ajudar a coordenar os esforços de alívio, assim como voos de reconhecimento para avaliar os danos.

A Federação Internacional de Sociedades da Cruz Vermelha e da Meia-Lua Vermelha (IFRC) disse estar preparando "um grande esforço de emergência" para aliviar a situação de cerca de 76 mil pessoas afetadas pelo ciclone em Grand Bahama e nas ilhas Ábaco.

Ao menos "70 mil pessoas necessitam de ajuda imediata" nas Bahamas, informou o secretário-geral adjunto para Assuntos Humanitários da ONU, Mark Lowcock.

A ONU desbloqueou US$ 1 milhão para as operações, disse Lowcock à imprensa através de um contato telefônico a partir de Nassau, no qual cita a necessidade de alimentos, água, barracas e medicamentos.

O primeiro-ministro Hubert Minnis qualificou a situação como "uma das maiores crises da história" do país.

O presidente americano, Donald Trump, afirmou que o arquipélago havia solicitado ajuda de seu país.

"Uma grande parte das Bahamas foi atingida de uma forma que pouca gente havia visto antes", declarou Trump. "Precisam de muita ajuda".

Companhias de cruzeiros, como Royal Caribbean e Disney Cruise Line, prometeram milhões de dólares em fundos para ajudar as operações de emergência nas Bahamas, um de seus destinos mais visitados.

Enquanto os esforços de resgate ganhavam força, Dorian avançava com ventos de 165 km/h, e às 18h desta quarta GMT (15h em Brasília) se situava a cerca de 185 km de Jacksonville, na Flórida, e 290 km ao sul de Charleston, na Carolina do Sul, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC) americano, com sede em Miami.

O furacão se deslocava na direção norte-noroeste, em uma velocidade de 15 km/h, acrescentou.

As autoridades declararam estado de emergência em grande parte da costa leste do país.

O Pentágono informou que 5 mil membros da Guarda Nacional e 2,7 mil militares estão prontos para atuar em caso de necessidade. (Com agências internacionais)



Relacionados

Mundo | 22-02-2020 15:00

Passageira de navio que passou por quarentena no Japão está com coronavírus

Passageira de navio que passou por quarentena no Japão está com coronavírus

Mundo | 22-02-2020 10:30

Irã registra quinta morte por coronavírus e tem 23 pessoas infectadas

Irã registra quinta morte por coronavírus e tem 23 pessoas infectadas

Mundo | 22-02-2020 10:00

EUA e Taleban iniciam trégua em esforço para acabar com guerra no Afeganistão

EUA e Taleban iniciam trégua em esforço para acabar com guerra no Afeganistão

Mundo | 22-02-2020 10:00

Itália tem segunda morte por coronavírus e cidades fecham escolas e comércio

Itália tem segunda morte por coronavírus e cidades fecham escolas e comércio