Eduardo Bolsonaro apoia tomada de embaixada da Venezuela por aliados de Guaidó

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 13/11/2019 às 11:55

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) usou as redes sociais para declarar apoio à ocupação da embaixada da Venezuela na madrugada desta quarta-feira, 13, por um grupo de aliados do Juan Guaidó, opositor do atual presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e autoproclamado presidente daquele país.

"Ao que parece agora está sendo feito o certo, o justo", disse o filho do presidente da República, Jair Bolsonaro, por meio de uma declaração publicada no Twitter.

Eduardo Bolsonaro é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

Quando Guaidó tentou assumir o poder da Venezuela, se autoproclamando presidente do país, foi reconhecido formalmente pelo Brasil. Eduardo apoiou a tomada de poder, usando #foraMaduro nas redes sociais.

Brics

O posicionamento do governo brasileiro sobre a tomada da embaixada deve gerar repercussão diretamente nas atividades da 11ª Cúpula dos Brics, que reúne os líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Com exceção do Brasil, todos esses países apoiam a permanência de Nicolás Maduro no poder.

Invasão

No meio diplomático, a ocupação da embaixada tem sido encarada como uma invasão, uma vez que o presidente da Venezuela atualmente, e de fato, é Nicolás Maduro.

Mesmo que a entrada dos aliados de Guaidó na embaixada tenha ocorrido com o consentimento dos funcionários de Maduro que lá estavam, a avaliação é de que, para efeitos diplomáticos, trata-se de uma invasão.



Relacionados

Mundo | 02-07-2020 20:13

Suíça restringe visitantes do Brasil e outros 28 países

Suíça restringe visitantes do Brasil e outros 28 países

Mundo | 02-07-2020 13:05

Uruguai defende que países do Mercosul evitem entrar em disputa entre EUA e China

Uruguai defende que países do Mercosul evitem entrar em disputa entre EUA e China

Mundo | 02-07-2020 10:15

Polêmica reforma de Putin é aprovada com 78% dos votos; UE pede investigação

Polêmica reforma de Putin é aprovada com 78% dos votos; UE pede investigação

Mundo | 02-07-2020 07:12

Após recorde de novos casos de covid, Israel decreta novas restrições

Após recorde de novos casos de covid, Israel decreta novas restrições