Putin nega envolvimento em eleição dos EUA e cita "histeria russofóbica"

Redação Tarobá News
Mundo | Publicado em 01/06/2017 às 10:25

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que seu governo vai esperar até que o sentimento anti-russo nos Estados arrefeça antes de tentar estreitar os laços com a Casa Branca.

Em reunião com editores de agências internacionais nesta quinta-feira, o líder russo afirmou que a atual atmosfera "torna um tanto inconveniente o trabalho conjunto", mas notou que esse sentimento deve ceder em algum momento.

Para Putin, a "histeria russofóbica" nos EUA tem como objetivo "impedir que o presidente dos EUA, Donald Trump, trabalhe normalmente". "Somos pacientes, sabemos esperar e vamos esperar", acrescentou.

O presidente voltou a negar que o Estado russo tenha tentado interferir nas eleições norte-americanas, mas admitiu a possibilidade de que alguns "hackers patriotas" possam ter agido nesse sentido, em retaliação ao estado das relações entre o Ocidente e seu país.

"Posso imaginar que alguns fazem isso deliberadamente, criando uma onda de ataques de forma a dar a impressão de que a Rússia é a origem de tal movimento", disse. "As tecnologias modernas permitem que isso aconteça".

Questionado se os hackers russos podem tentar moldar o resultado das eleições na Alemanha, em setembro, Putin afirmou que o país "nunca fez esse tipo de trabalho em um nível de Estado, e não tem a intenção de fazê-lo." Fonte: Associated Press.



Relacionados

Mundo | 16-02-2019 17:15

Líder do Hezbollah critica Trump sobre combate contra Estado Islâmico na Síria

Líder do Hezbollah critica Trump sobre combate contra Estado Islâmico na Síria

Mundo | 16-02-2019 16:45

EUA enviam à Colômbia ajuda humanitária destinada à Venezuela

EUA enviam à Colômbia ajuda humanitária destinada à Venezuela

Mundo | 16-02-2019 15:30

Vaticano expulsa ex-cardeal Theodore McCarrick, acusado de abusos sexuais

Vaticano expulsa ex-cardeal Theodore McCarrick, acusado de abusos sexuais

Mundo | 16-02-2019 13:15

EUA cobram que UE reconheça Guaidó como presidente da Venezuela

EUA cobram que UE reconheça Guaidó como presidente da Venezuela

PUBLICIDADE