Trump critica suposta ampliação de escopo na investigação sobre Rússia

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 15/06/2017 às 08:55

Photo by Kobi Gideon / GPO

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou sua conta no Twitter para criticar reportagens da imprensa americana segundo as quais a investigação sobre a suposta interferência da Rússia na campanha presidencial do ano passado foi ampliada, a fim de examinar se ele tentou obstruir a Justiça.

Em uma mensagem no início da quinta-feira, Trump escreveu: "Eles inventam uma história falsa de conluio com a Rússia, não encontram nenhuma prova, então agora querem seguir para a história falsa de obstrução de justiça. Legal."

No fim da quarta-feira, o jornal Washington Post divulgou que o conselheiro especial Robert Mueller tem buscado fazer entrevistas com três membros do governo Trump que não estavam envolvidos na campanha. Os funcionários são Dan Coats, diretor de inteligência nacional, Michael Rogers, que comanda a Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês), e Richard Ledgett, ex-diretor da NSA.

As acusações de suposta obstrução de justiça vieram à tona no mês passado, após Trump demitir James Comey, ex-diretor do FBI. Comey disse na semana passada ao Congresso acreditar que foi demitido "por causa da investigação da Rússia". Fonte: Associated Press.



Relacionados

Mundo | 12-08-2018 17:50

Marido morto em acidente é incluído digitalmente em ensaio com viúva grávida

Marido morto em acidente é incluído digitalmente em ensaio com viúva grávida

Mundo | 12-08-2018 11:10

Embaixador dos EUA pede que Reino Unido apoie posição norte-americana sobre Irã

Embaixador dos EUA pede que Reino Unido apoie posição norte-americana sobre Irã

Mundo | 12-08-2018 11:10

EUA: Trump defende crescimento da economia e critica Harley Davidson

EUA: Trump defende crescimento da economia e critica Harley Davidson

Mundo | 12-08-2018 10:15

Síria: explosão no norte do país mata pelo menos 18 pessoas, diz oposição

Síria: explosão no norte do país mata pelo menos 18 pessoas, diz oposição

PUBLICIDADE