Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Trump Jr. deve depor ao Senado na próxima semana

19/07/17 às 20:55 - Escrito por Estadão Conteúdo
siga o Tarobá News no Google News!

Três importantes membros da campanha de 2016 de Donald Trump devem depor a comitês do Senado na próxima semana. O filho mais velho do republicano, o empresário Donald Trump Jr., o genro do bilionário, o conselheiro Jared Kushner, e o ex-chefe da corrida presidencial Paul Manafort serão cobrados a dar detalhes aos parlamentares sobre a suposta interferência da Rússia no pleito do ano passado.

Kushner terá uma sessão privada no Comitê de Inteligência do Senado na segunda-feira, de acordo com o advogado deste, Abbe Lowell. "Kushner está preparado para cooperar voluntariamente e providenciar informações adicionais à investigação do Congresso", disse.

Já o Comitê Judiciário do Senado informou que os depoimentos públicos de Trump Jr. e Manafort ocorrerão na próxima quarta-feira.

Leia mais:

Imagem de destaque
ACIDENTE

Navio bate contra ponte que colapsa e cai com vários veículos nos Estados Unidos

Imagem de destaque
DIA MUNDIAL DA ÁGUA

Itaipu leva discussão sobre gestão compartilhada da água para conferência da ONU

Imagem de destaque
FIM DA FESTA

Maior fornecedor de armas e drogas para o Comando Vermelho, é preso em bordel no Paraguai

Josué da Cunha
INTERNACIONAL

Paranaense na Flórida, mostra cenário de destruição durante passagem do Furacão Ian

O porta-voz de Manafort, Jason Maloni, disse que o consultor político recebeu o convite para depor ao Senado e que deve analisar.

Os representantes do filho mais velho de Trump também não confirmaram se ele vai depor na próxima semana. Eles se limitaram a dizer que o empresário está "disposto a cooperar com os comitês".

Os depoimentos ocorrerão dias depois de a imprensa americana relatar que Trump Jr. teve uma reunião com a advogada russa Natalia Veselnitskaya durante a campanha presidencial de 2016.

O herdeiro reconheceu que foi à reunião na esperança de obter informações sobre Hillary Clinton, que concorreu à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata. O caso aumentou a pressão pública contra o bilionário presidente, que sofre pressão dentro do próprio Partido Republicano para desvincular a imagem da interferência de Moscou. Fonte: Dow Jones Newswires.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá