Trump volta a criticar Twitter e pede revogação de imunidade a redes sociais

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 29/05/2020 às 09:45

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a criticar o Twitter na própria rede social na manhã desta sexta-feira, 29, e disse que o Congresso americano deveria revogar a seção 230 da Lei de Comunicações dos Estados Unidos, que garante proteção ao setor.

"O Twitter não está fazendo nada sobre todas as mentiras e propaganda divulgadas pela China ou pelo Partido Democrata", publicou Trump. "Eles têm como alvo republicanos, conservadores e o presidente dos Estados Unidos. A seção 230 deve ser revogada pelo Congresso. Até lá, será regulamentada!", completou.

Trump elevou o tom contra o Twitter nesta semana após a rede social impor selo de "conteúdo potencialmente falso" a algumas de suas postagens. Em resposta, o republicano assinou ontem decreto que pede modificações na seção 230, dizendo que a "imunidade" conferida pela lei às redes sociais precisa ser "esclarecida" - ou seja, regulamentada.

Nesta sexta-feira, o embate entre Trump e o Twitter ganhou novo capítulo após a plataforma colocar um alerta em postagem do líder da Casa Branca por "exaltação de violência". O tuíte se referia a protestos ocorridos em Minneapolis, no Estado americano de Minnesota, e só poderia ser visto após o usuário clicar em um botão de consentimento sobre o teor da mensagem.



Relacionados

Mundo | 04-07-2020 07:49

Trump promove festa da independência dos EUA em meio a recorde de casos

Trump promove festa da independência dos EUA em meio a recorde de casos

Mundo | 03-07-2020 11:36

América Latina e Caribe superam Europa em casos de coronavírus

América Latina e Caribe superam Europa em casos de coronavírus

Mundo | 03-07-2020 11:11

Nos EUA, jovens fazem festa e dão prêmio para quem pegar covid-19

Nos EUA, jovens fazem festa e dão prêmio para quem pegar covid-19

Mundo | 03-07-2020 10:35

UE autoriza uso do antiviral remdesivir contra coronavírus

UE autoriza uso do antiviral remdesivir contra coronavírus