Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Um ano após votação, R. Unido revela projeto para tornar o Brexit realidade

13/07/17 às 17:15 - Escrito por Estadão Conteúdo
siga o Tarobá News no Google News!

Um ano após os britânicos terem votado pela separação entre o Reino Unido e a União Europeia, o governo revelou hoje o primeiro projeto de lei para tornar o Brexit realidade.

A Lei de Retirada da UE pretende converter cerca de 12 mil regras da UE em regulamentações do estatuto britânico, no dia em que o Reino Unido deixar o bloco. Isso deve acontecer em março de 2019. Todas essas regras podem ser mantidas, modificadas ou excluídas pelo Parlamento Britânico, cumprindo com a promessa dos que fizeram campanha contra a UE para que Londres "reassuma o controle".

Mas opositores do governo conservador da primeira-ministra Theresa May temem que a legislação dê às autoridades poderes para mudar as leis sem a análise apropriada dos legisladores. Eles temem que o governo reduza os padrões ambientais, leis trabalhistas ou medidas levadas ao Reino Unido através da legislação da UE desde a união com o bloco em 1973.

Leia mais:

Imagem de destaque
ACIDENTE

Navio bate contra ponte que colapsa e cai com vários veículos nos Estados Unidos

Imagem de destaque
DIA MUNDIAL DA ÁGUA

Itaipu leva discussão sobre gestão compartilhada da água para conferência da ONU

Imagem de destaque
FIM DA FESTA

Maior fornecedor de armas e drogas para o Comando Vermelho, é preso em bordel no Paraguai

Josué da Cunha
INTERNACIONAL

Paranaense na Flórida, mostra cenário de destruição durante passagem do Furacão Ian

A maior parte do projeto descreve como todas as leis da UE serão convertidas ao estatuto britânico. O governo disse que vai garantir continuidade: a lei no dia após o Brexit será a mesma da do dia anterior.

O secretário do Brexit, David Davis, disse que o projeto vai permitir que o Reino Unido deixe a UE com o "máximo de certeza, continuidade e controle". No entanto, o projeto dá ao governo poderes para consertar "deficiências" na lei da UE, através do que são conhecidos como instrumentos legais, que podem ser usados sem a análise parlamentar necessária para formular ou alterar uma lei.

Os poderes são temporários, e expiram dois anos após o Brexit. Mesmo assim, a líder do Partido Nacional Escocês, Nicola Sturgeon, taxou o projeto como uma "tomada de poder escancarada". A lei não deve ser discutida no Parlamento até o outono do Hemisfério Norte, e o governo minoritário de May, enfraquecido após a eleição do mês passado, encara uma batalha.

O líder dos Liberais Democratas, Tim Farron, disse que aprovação da lei seria um "inferno" e previu que o governo vai enfrentar "uma versão parlamentar da guerrilha". Fonte: Associated Press.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá